Para cientistas, influência do homem no aquecimento global é consenso

Agência Senado 30/05/2019

A pesquisa científica relacionada à influência das atividades humanas no aumento da concentração de COna atmosfera é “robusta” mundialmente, permitindo projeções climáticas em nível regional e global. Esta foi a tônica da fala de alguns cientistas brasileiros vinculados a organismos que se debruçam em pesquisas sobre o fenômeno do aquecimento global, durante audiência conjunta das Comissões de Relações Exteriores (CRE) e do Meio Ambiente (CMA), nesta quinta-feira (30).

— É importante ressaltarmos que esta é uma área de investigação muito ativa mundialmente. A cada semana são publicados pelo menos quatro ou cinhco papers de impacto internacional. Só nos últimos seis meses, foram divulgados trabalhos de pesquisas coletando esforços de quase três mil cientistas, todos apontando questões preocupantes quanto à sustentabilidade ambiental no que tange às atividades humanas. A experiência indica que é improvável que três mil cientistas estejam equivocados em suas investigações, e apenas dois ou três estejam corretos — afirmou Paulo Artaxo, físico do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), que também colabora junto ao Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), da ONU.

A manifestação de Artaxo se deu devido a indagações de internautas, e também de alguns senadores, quanto a posições manifestadas por grupos de cientistas de diversos países que renegam a interpretação de que as atividades humanas possam colaborar para alterações climáticas profundas no planeta. Chamados de “negacionistas” durante a audiência desta quinta-feira, dois deles, o climatologista Luiz Carlos Molion e o geógrafo Ricardo Felício, participaram de audiência conjunta da CRE e da CMA na terça-feira (28).

Críticas aos negacionistas

O astrogeofísico Gylvan Meira, que colaborou com o IPCC até 2015, alertou que especialmente nos EUA — país que mais abriga negacionistas no mundo — esta vertente de cientistas tradicionalmente é ligada ao lobby de poderosos setores industriais, como o do petróleo. O que não impede os EUA de serem, por outro lado, a nação mais avançada nas pesquisas científicas tratando do impacto humano para o acúmulo de CO2 na atmosfera, e de ser onde mais organizações e empresas já adotam medidas mitigadoras concretas, aliadas a um pujante engajamento social, de acordo com Meira.

Os pesquisadores presentes à audiência desta quinta-feira ainda reiteraram que os trabalhos dos negacionistas apresentam fortes lacunas em relação ao rigor cientifico. Pediram aos internautas que consultem a Plataforma Lattes, onde, segundo eles, torna-se claro que a produção desta vertente no Brasil é “muito inferior” à tese predominante. Por fim, ainda afirmaram ser “público e notório” o vínculo de alguns negacionistas no país com o lobby do agronegócio.

Consenso mundial sobre o mecanismo do Efeito Estufa

Meira ressaltou ser um consenso mundial já há décadas, por meio de investigações em laboratório no âmbito da mecânica quântica, que as partículas de COabsorvem os raios infravermelhos. E é justamente a concentração destes gases na atmosfera, em grande medida emitidos por atividades humanas, um dos responsáveis pelo agravamento do efeito estufa, impedindo que o calor seja devolvido ao espaço.

Artaxo informou que hoje o homem já emite cerca de 40 bilhões de toneladas por ano de dióxido de carbono (CO2). Meira ainda enfatizou que estes gases permanecem na atmosfera, gerando efeitos por décadas. Os pesquisadores também mostraram inúmeros gráficos e tabelas atestando que a concentração do COtem crescido de forma consistente desde a Revolução Industrial (século 18), com sazonais períodos de declínio, e apresenta hoje seus índices mais altos. E seria justamente o recrudescimento da poluição ambiental, a partir da década de 1960, o principal responsável por um franco período de aquecimento global verificado desde então, segundo Artaxo.

Combate ao Aquecimento Global pode ajudar na inclusão social

O biólogo Gustavo Luedemann, doutor em Ecofisiologia Vegetal pela Universidade Técnica de Munique (Alemanha) e pesquisador do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), lembrou que o IPCC controla um fundo de U$ 100 bilhões voltado ao financiamento de ações de mitigação aos danos ambientais. Para ele, esta apresenta-se como uma oportunidade para que o Brasil incremente seu modelo econômico visando uma lógica mais sustentável, fomentando por exemplo ações de manejo florestal, que no seu entender, podem incluir sócio-economicamente regiões inteiras do país ainda marcadas por alarmantes índices de miséria e pobreza.

Já o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) criticou algumas diretrizes que percebe como “preocupantes” do governo, sobre a gestão do Fundo Amazônia. Este fundo, mantido principalmente pela Noruega, destina cerca de R$ 2 bilhões por ano para programas voltados à preservação ambiental na região. O senador lembrou que centenas de ações com esta finalidade estão paralisadas na Amazônia, enquanto o governo manifesta sua intenção de utilizar estes recursos para pagar indenizações a fazendeiros, “em sua maioria grileiros de terra”, segundo Randolfe.

A geobotânica Mercedes Bustamante também criticou o governo de Jair Bolsonaro. Para ela, tem sido adotada uma política de desmonte na área da gestão ambiental. Por fim, o presidente da CMA, senador Fabiano Contarato (Rede-ES), elogiou o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, por não colocar em votação MP 867/2018, que, no seu entender, descaracteriza o Código Florestal (Lei 12.651, de 2012).

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta